Denunciados casos de provocação e assédio polícial nas áreas Mapuche de Curarrehue e Pucon

quelhue-1
Região Quelhue (Terra Vermelha)

Várias representações de comunidades regionais e tradicionais nas cidades de Pucon e Curarrehue, têm vindo a reunir-se para avaliar a situação, considerando que as formas de manifestação e de protesto nestes territórios têm sido conduzidas de forma pacífica e respeitosa. As comunidades regionais e tradicionais denunciam, com preocupação, o aumento das provocações intencionais contras as comunidades que defendem seus direitos e e a paz social nos seus territórios e das suas famílias.auto-pacos

Nessas áreas gradualmente foram-se multiplicando projectos de negócio e,  ao mesmo
tempo , tem vindo a aumentar o número de efectivos e equipamentos da polícia. Aumentam os actos de arrogância e imprudência no uso de armas de fogo por parte de alguns agentes carabineros que disparam contra populares e vários casos de abuso e intimidação de agentes policiais que se transportam em veículos blindados.

As representações territoriais que expressaram estas preocupações são: a Lelfun Ikag, o Agrupamento de palifes do lof(*) Menetue, o lof Quelhue, o Agrupamento palife do lof Quelhue, a Comunidade Walung Curarrehue, a palife da Comunidade Walung Mapu, e o lof Trankurra, que salientaram numa tomada de posição na lof Menetue:

“Numa trawun(**) feita na comunidade, analisamos as várias questões relacionadas com os efeitos de todos os projectos que pretendem impor no território de Wallmapu.
Especificamente na bacia do vale do rio Trankurra como a hidroeléctrica Panki, o mega-projeto da estrada Quelhue, a estrada Coñaripe – Palguin, além de várias hidroeléctricas do lof Trankurra, projetos que são contra o nosso modo de vida.
Além disso, também é importante mencionar os abusos de alguns latifundiários instalados no nosso território, bem como a arrogância e abuso de poder envolvidos contra a nossa natureza, sem piedade e sem pensar no dano causado”
“Estamos a ser vítimas de assédio constante pelas forças policiais nos sectores Quelhue, Menetue, Curarrehue e no lof Trankurra. Estamos a ser violentados pelo Estado por meio dos seus agentes repressivos, e também em diferentes ocasiões, os nossos moradores foram atingidos por ataques na via pública e privada com base em procedimentos fora dos protocolos e da legalidade, nomeadamente com tiros contra habitantes das nossas comunidades e repetidos insultos e situações de intimidação com os seus veículos blindados”.

Os representantes dessas organizações territoriais solidarizaram-se com os presos Mapuche e, especificamente, com a situação da Machi Francisca Linconao, cuja “a autoridade tradicional é parte da força que temos como povo“, afirmaram.

E acrescentaram:

“É por esta e muitas outras razões exigimos que nossos direitos não sejam violados por agências estatais e também que os regulamentos relativos aos direitos sejam cumpridos e, em especial, aqueles relacionados aos Povos Indígenas”

Fonte: http://www.mapuexpress.org/

*   lof – unidade social básica do povo mapuche
** trawun – assembleia parlamentária dos Mapuche
Nota do Tradutor: Como português e desconhecedor da mapugundum socorro-me de fontes da internet para traduzir alguns dos tremos usados na comunicação do povo Mapuche. Qualquer incorrecção é minha, obviamente
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s